MENU

Campinas: Campanha "Nossa Unicamp" rene relatos de pessoas que tiveram suas vidas transformadas pela universidade

Com a proposta de mostrar a importância da universidade pública e sua contribuição para a sociedade, foi lançada na terça-feira, 11 de fevereiro, a campanha "Nossa Unicamp", baseada em histórias de pessoas que tiveram suas vidas transformadas pela Universidade Estadual de Campinas.

A campanha, que reúne depoimentos inspiradores, foi concebida de forma voluntária pela Agência Sabiá, uma das 815 empresas-filhas da universidade. Apresenta, em um primeiro momento, vídeos com relatos de oito personagens (ex-alunos, professor e paciente), além de depoimentos enviados por escrito que estão disponíveis no site nossaunicamp.com.br. Há também espaço aberto para qualquer pessoa deixar seu relato, contando sua experiência com a universidade. É possível compartilhar relatos e divulgar a campanha nas redes sociais com a hashtag "#nossaunicamp".

"A campanha é uma forma de compartilhar histórias de impacto geradas a partir do contato com a universidade, um impacto positivo que se estende por todo o país", afirma o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel.

Os primeiros oito depoimentos corroboram a afirmação do reitor. O grupo é composto por Cristiano Amon, presidente global da Qualcomm; André Penha, cofundador e diretor de tecnologia do QuintoAndar; Hercules Gomes, compositor e pianista premiado; Kizzy Antualpa, ex-atleta de ginástica rítmica e professora universitária; Renata Tonon, pesquisadora da Embrapa; Leandro Karnal, historiador e professor da Unicamp; César Gon, cofundador e diretor-executivo da CI&T; e Mariangela Maraccini, paciente do Hospital de Clínicas da Universidade.

Pesquisas com resultados positivos

A ideia da campanha surgiu em decorrência dos resultados positivos de duas pesquisas de opinião encomendadas pela própria Unicamp.

Na pesquisa de campo, conduzida em novembro de 2019 pelo Instituto Axxus - outra empresa-filha da Unicamp - foram ouvidas 1,1 mil pessoas na faixa dos 25 aos 61 anos de idade nas cidades de Campinas, Paulínia, Jaguariúna, Valinhos, Hortolândia, Sumaré e Indaiatuba, todas elas no interior de São Paulo.

A maioria das pessoas que responderam, 98%, avaliou como "ótima" (81%) e "boa" (17%) a qualidade do ensino. As pesquisas realizadas pela universidade também foram bem avaliadas e 93% classificaram os trabalhos científicos como "muito importantes e relevantes" e "ótimos".

A pesquisa também mostra que 91% consideram o trabalho desenvolvido pela área de saúde como "muito importante". Quando questionados sobre a imagem da Unicamp, 93% apontaram a instituição como "ótima" (72%) e "boa" (21%).

Na segunda pesquisa, 2,2 mil ex-alunos responderam um questionário online, enviado por e-mail entre os dias 6 de novembro de 2019 e 16 de janeiro de 2020. Deste total, 94% afirmaram que recomendariam a Unicamp a algum amigo ou familiar. A avaliação baseou-se na "qualidade do ensino" da Universidade, citada por 88% dos respondentes; no "valor de suas pesquisas" (60%); na "imagem da marca" Unicamp (41%); nos eventos socioculturais que ocorrem na instituição (28%); e nos serviços prestados pela área da saúde (19%).

"Os números confirmaram que o trabalho realizado pela Unicamp é reconhecido pela sociedade", afirmou o reitor. "Muito do que é feito e produzido na universidade tem resultado direto no dia a dia da população, e esse é um dos propósitos centrais da Unicamp, uma universidade pública, gratuita e de qualidade", acrescentou.

Fonte: campinas.com.br

Compartilhe
Whatsapp